Mídia

IBRAP Projetos idealiza belo projeto paisagístico

Matéria publicada no site Paisagismo em Foco em 31/05/2012

Localizado em uma casa de vila no bairro do Itaim em São Paulo este pequeno espaço de 12m2 está totalmente integrado com a residência onde vive um casal jovem.

O jardim interno funciona como uma extensão da casa, onde bancos de madeira peroba reaproveitada dão um toque de rusticidade ao espaço, formando uma pequena sala de estar. O destaque ficou para a mesinha de centro feita sob medida para receber vasos de temperos, que podem ser substituídos sempre que desejados. “A proprietária adora receber amigos e preparar pratos com ingredientes frescos”, comenta Aline Famá, bióloga e paisagista do Ibrap Projetos.

Os belíssimos vasos de cerâmica esmaltados existentes receberam novas espécies como Lavanda (Lavanda angustifolia), Palmeira leque (Licuala grandis) e Lança de São Jorge (Sansevieria cylindrica) e foram posicionados de maneira que pudessem proporcionar um cantinho aconchegante junto com os tamboretes de mesmo material.

Numa das paredes de tijolos aparente a opção foi pelo uso de cruzetas formando um painel com vasos de cerâmica de cores variadas com ripsális (Rhipsalis baccifera), bromélias (Neoregelia ‘Fireball’) e orquídeas chuva de ouro (Oncidium reflexum). Na outra parede, cabos de aço foram fixados para que as trepadeiras Flor de Cera (Hoya carnosa) e Jasmim de Madagascar (Stephanotis floribunda) pudessem alcançar a luz do sol.

Uma árvore frutífera foi solicitada pelo casal para atrair pássaros silvestres que aparecem todas as manhãs. A espécie escolhida foi uma Jabuticabeira, cujo vaso foi posicionado estrategicamente para esconder o equipamento de aquecimento a gás.

  

Como não poderia faltar o elemento água, uma pequena fonte com revestimento em pastilhas de vidro azuis foi decorada com pedras e espécies aquáticas – Mini Papiro (Cyperus papyrus), Aguapés (Eichhornia crassipes) e Alface d’água (Pistia stratiotes).

Na fachada da casa uma trepadeira Primavera (Boungainvillea spectabilis) na cor pink foi plantada num vaso vietnamita azul.

Equipe:

Fabiana Santiago

Lilian Cardenas

Aline Famá

Alice Iwamoto

Para ver a matéria completa, acesse: Paisagismo em Foco

Le Manjue Bistrô

Matéria publicada na Revista Paisagismo & Jardinagem, edição nº128

CapaRevistaAo planejar o paisagismo do bistrô, em São Paulo, SP, o conceito seguiu a arquitetura sustentável, elaborada pela arquiteta Flavia Machado, de São Paulo, SP, e gastronomia orgânica do local. Assim, o objetivo da paisagista Aline Famá, de São Paulo, SP, era desenvolver um espaço tão agradável quanto um jardim, apostando na vegetação que antes ficava apenas na varanda.

A solicitação foi por plantas tropicais, com preferência nativas, e que se adaptassem à sombra. “Essa decisão é importante em um projeto sustentável, pois quando são usadas espécies endêmicas, a necessidade de manutenção e irrigação é reduzida”, afirma Aline. Nos cachepots, feitos com madeira de demolição, a escolha foi por mapuá (Cyclanthus bipartitus), cipó-uva (Cissus rhombifolia), maranta-pavão (Calathea makoyana) e guaimbê (Philodendron bipinnatifidum).

Outras plantas contribuíram com o volume e textura, como a palmeira-leque (Licuala grandis), singônio (Syngonium angustatum), aspargos (Asparagus setaceus), samambaia-prata (Pteris cretica), ripsalis (Rhipsalis baccifera), espada-de-são-jorge (Sanseveria trifasciata) e barba-de-serpente (Ophiopogon jaburan). Em frente à janela foram plantadas mudas de cafeeiro (Coffea arabia), que contribuem com cor e se conectam ao conceito de retomada da história local, já seus frutos vermelhos dão descontração ao ambiente.

Para ver a matéria completa, acesse: Paisagismo & Jardinagem 

Verde na alturas

Matéria publicada na Revista Plantas • Flores & Jardins , edição n. 110

“A paisagista Aline Famá aproveitou a parede da cobertura para criar uma verdadeira cortina verde – é o pano de fundo perfeito para a ducha de aço inox que estava por ali. Na composição há heras (Hedera helix), lambaris (Tradescantia zebrina), barbas-de-serpente (Ophiopogon jaburan), columeias (Nematanthus wettsteinii), flor-de-cera (Hoya carnosa), samambaias variadas, capim-do-texas (Pennisetum setaceum) e singônios (Syngonium angustatum). Como as plantas têm cores e formas diferentes, o volume do jardim vertical é de encher os olhos. Para arrematar, a profissional especificou dois pontos de luz em formato de flor, responsáveis por destacar o paisagismo à noite.”

Verde dentro de casa

Entrevista publicada na Revista Decorar Mais por Menos, edição nº64

Como as plantas podem agregar na decoração da sala?

Plantas são sempre bem vindas em qualquer ambiente da casa, elas são capazes de transformar o astral do espaço em que estão inseridas.

Na decoração da sala elas trazem alegria e deixam o espaço aconchegante, seja somente o verde das folhagens ou mesmo o colorido das flores.

Trazer a natureza para o ambiente interno ajuda a criar um clima mais fresco e dá um toque de naturalidade contrastando com os objetos utilizados na decoração, além, é claro, de proporcionar o bem estar para as pessoas que ali convivem.

Quais são as melhores espécies de plantas para serem usadas dentro da sala?

As Samambaias são as campeãs, mas existem muitas espécies apropriadas e resistentes tais como, o Pacová, Zamioculca, Pau-d’água, Arvore da Felicidade, Lança de São Jorge, Pleomele, Filodendros em geral, Singônio, Jibóia e até pequenas palmeiras como a Rafis e a Chamaedorea. O Antúrio e o Lirio da Paz possuem belas inflorescências, também se adpatam muito bem. A Begônia e a Violeta são bem populares em ambientes internos e dão lindas flores. Algumas bromélias e orquídeas dão muito charme.

Tem diferença entre ambientes pequenos ou grandes?

Sim, o tamanho do espaço pode ser um limitador para algumas espécies. É necessário pesquisar qual o porte que a planta atingirá quando for adulta, para que seu crescimento não seja comprometido.

O que dever ser levado em conta antes de instalar essas plantas dentro da sala?

Em primeiro lugar deve-se conhecer as necessidades da espécie escolhida e tentar oferecer a ela as condições semelhantes ao seu habitat natural. Os fatores luminosidade e ventilação são importantíssimos.

As plantas de sombra precisam receber menos luminosidade, mas isso não quer dizer que possam viver em ambientes escuros. Elas precisam de luz indireta (ou luz difusa), para realizar fotossíntese, caso contrário ficam desnutridas e menos resistentes a pragas e doenças. Então, é imprescindível que sejam colocadas próximas às janelas.

O fator ventilação está muito ligado a umidade. A ventilação deve ser de preferência natural. Nos ambientes com ar condicionado ou ventos fortes a evaporação será maior e portanto as plantas precisarão de regas mais frequentes.

entrevista publicadaQual é a melhor forma de ter essas plantas dentro da sala?

Existe uma infinidade de modelos de vasos e cachepots. Escolha aquele que melhor combine com o estilo da decoração e o espaço disponível.

Os vasos de plásticos ou resina são leves e mais baratos, existem fabricantes que conseguem imitar diversos materiais como pedra, concreto e até madeira. Eles são uma boa opção quando o local não permite alta carga sobre o piso. Já os vasos de cimento são mais pesados, porém duráveis. Estes podem ser na cor natural ou pintados na cor desejada. Há também os vasos de cerâmica que podem ser na cor do barro natural, dando um toque mais rústico ao ambiente ou aqueles com acabamento esmaltado que são mais sofisticados. Estes vasos vitrificados possuem diversos tamanhos, formatos e cores, podendo receber arbustos e pequenas arvoretas. Eles são importados da China e Vietna e infelizmente sofrem a ação das moedas estrangeiras.

Quanto ao local, eles podem ser usados no chão, com ou sem rodízios, dependendo se há necessidade em movê-los de posição. Caso opte colocar pratinho embaixo do vaso, fique atento para não deixar água acumulada, o que pode ser evitado acrescentando-se areia. Pequenos vasinhos ou cachepots de metal ficam muito bonitos numa mesa de apoio, junto a outros objetos de decoração como livros e porta-retratos. Para uma mesa de centro a aposta certa é um vaso no formato bacia, cheio de suculentas e mini cactos, plantas que não necessitam de regas frequentes. Um lindo bouquet de rosas ou flores do campo fica maravilhoso num vaso de vidro no centro de uma mesa de jantar. Vasos suspensos podem ser fixados nas paredes ou mesmo no teto com ganchos e correntes e neste caso a opção seria por plantas pendentes.

Seja qual for o vaso escolhido ele precisa ser bem montado, com pedrinhas tipo cascalho ou bolinhas de argila no fundo para ter uma boa drenagem (escoamento da água).

Se o desejo for um jardim vertical é importante que a parede a ser utilizada receba tratamento impermeabilizante. Outro item necessário é ter um ponto de água próximo, para facilitar a instalação de um sistema de irrigação.

Quais são os cuidados que devem ser adotados na rotina?

Faça sempre uma inspeção, retirando as folhas secas ou flores mortas.

Verifique se está havendo infestação de pragas ou doenças para um rápido tratamento, antes que seja tarde demais.

O solo deve ser mantido levemente úmido, porém evite encharcamento pois as raízes acabam apodrecendo com o excesso de água.

A frequência da irrigação vai depender do local e tamanho da planta e vaso. Geralmente de 2 a 3 vezes por semana, mas para saber quando regar coloque o dedo na terra para sentir a umidade.

Adube a cada 2 – 3 meses com adubos orgânicos inseridos diretamente na terra ou utilize adubos líquidos diluidos em água e borrife as folhagens.